Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61261
< Voltar

Um gesto de solidariedade

As histórias da Oficina do Tião Sapateiro…

Empurrando carro

No meu primeiro livro, A Oficina do Tião Sapateiro, lançado em 2003, narro os acontecimentos e costumes de uma época, tendo como cenário principal uma pequena oficina de consertos de calçados, ponto de encontro da rapaziada no bairro onde eu morava, em Juiz de Fora, nos 60 e 70.

A Oficina era um território livre e democrático, onde todos conviviam pacificamente. Sejam sambistas e roqueiros, rubro-negros e botafoguenses, a grande rivalidade da época na cidade, e até militares e comunistas, em tempos  de ditadura.

Tantas histórias se passaram na oficina do Tião Sapateiro, envolvendo personagens inesquecíveis que a frequentavam.

Certa vez, sábado à tarde, um animado jogo de buraco se desenrolava no interior da oficina. Num canto do balcão, Major Fonseca, veterano de Guerra, jogava damas com Darucho, conhecido anarquista e contestador. Do lado de fora, Topo Giggio, Ricardo Frota, Jaguaré e o soldado Braz, do posto policial do bairro, discutiam futebol. Comprovando a convivência pacífica, Tonho Égua, que na época escrevia jogo de bicho, conversava animadamente com Sr. Silvio, inspetor da polícia federal.

De repente um fusca enguiça nas proximidades, com a bateria descarregada. Um homem magro, de bigode e muito nervoso, desce e pede ajuda. Seu Silvio, o inspetor, fazendo valer sua autoridade, chega na porta da oficina e ordena:

- Vamos parar um pouco essa jogatina e ajudar a empurrar o carro do amigo aqui!

E lá fomos todos prestar nossa ajuda. Após umas três tentativas, finalmente, o velho fusca pega, empurrado por toda aquela turma… O motorista, então, sai em alta velocidade, sem nem mesmo agradecer a “solidariedade”.

Assim que o carro dobrou a esquina cantando pneus, um senhor gordo e careca, extasiado e suando muito, chega gritando:

- Socorro! Socorro!

– Calma! O que foi? Pergunta o Inspetor Federal…

– Roubaram meu carro!…

 

Filosofia da oficina:

” O que refresca bunda de pato é lagoa.”

 

 Victor Kingma