Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61230
< Voltar

O craque que calou o Maracanã

Histórias do futebol

julinho3

13 de maio de 1959. Para comemorar o inédito título de campeão mundial que havia conquistado no ano anterior, a seleção brasileira realizou um amistoso contra a Inglaterra, exatamente o único adversário que não tinha vencido na memorável conquista na Suécia. O jogo terminou empatado em 0 x 0.

Um clima de grande expectativa antecedeu à partida, com repercussão na imprensa de todo o país.

A torcida lotou o Maracanã naquele dia para assistir ao tão esperado confronto. Entretanto, assim que o locutor do estádio anunciou a escalação do Brasil, com Julinho, do Palmeiras, na ponta direita, no lugar de Garrincha, que ao lado de Pelé era o grande ídolo da torcida brasileira, ouviu-se um dos maiores coros de vaias da história do futebol. Estima-se em mais de 120 mil torcedores.

Julinho, com a fidalguia que sempre o acompanhou por toda a carreira, não se abateu e consolado pelo técnico Vicente Feola, apenas respondeu: – não se preocupe chefe, vou jogar bem!

E bastaram apenas alguns minutos de jogo para o estádio emudecer. Julinho, numa das maiores exibições de sua carreira, infernizava seus marcadores e encantava os torcedores. E logo aos 7 minutos  vencia a  quase intransponível defesa inglesa: Brasil 1 x 0.

 Durante todo o jogo foi uma sucessão de dribles e jogadas brilhantes. Após os 90 minutos todos os torcedores presentes ao Maracanã se renderam à classe e a determinação do craque, e as vaias iniciais se transformaram em calorosos aplausos.

O jogo terminou 2 x 0 para a seleção brasileira, com o segundo gol marcado pelo centroavante Henrique Frade, do Flamengo, o substituto de Vavá naquele jogo.

Julinho Botelho, um dos maiores pontas direitas da história do futebol, ídolo das torcidas da Portuguesa de Desportos, Fiorentina, da Itália,  onde era adorado,  e Palmeiras, além de brilhar também na seleção brasileira, na copa de 1954, faleceu em São Paulo, em 11 de janeiro de 2003, aos 73 anos, sem nunca ter o reconhecimento que verdadeiramente merecia.

Victor Kingma