Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61197
< Voltar

Gandula do além

Causos da bola

Gandula do AlemO futebol era a grande atração da pequena Sotéria do Norte. Aos domingos, a cidade parava para assistir às acirradas disputas que se realizavam no “Estádio Caveirão”. O nome vinha da proximidade do campo com o cemitério local.

No passado dois coronéis da região, vizinhos de terra e arqui–inimigos políticos, viviam às turras. Um deles, eleito prefeito e sabendo que o vizinho detestava futebol, construiu o estádio bem na divisa das fazendas, só para provocar o inimigo.

Tempos depois, com a mudança do comando político no lugar, o outro vizinho vingou-se de seu desafeto: doou à Prefeitura o terreno para construção do Cemitério Municipal, exatamente nos fundos do campo, a grande obra da administração do rival.

A cidade até se divertia com a briga. Um dos times locais, passou a se chamar Caveirinha, em clara alusão ao cemitério. Os locutores do local, acostumados com a situação, quase sempre soltavam pérolas do tipo:
– O chute saiu torto! E a bola caiu lá no túmulo da beata Carlota!
Ou então:
– A redonda bola passou rente ao ângulo e explodiu na torre do necrotério!

Às vezes, porém, surgiam imprevistos, como ter que parar o jogo para que passasse algum enterro.

Havia, porém, algumas conveniências. Por exemplo: Zé Coveiro um sujeito magro, que cultivava uma longa barba, e cujo nome denunciava a profissão; nos dias de jogos, fazia um extra, trabalhando como gandula. Era extremamente útil . Ainda mais, quando a bola caia no seu local de trabalho.E sempre devolvia rapidamente a bola, conhecedor que era, do seu terreno.

Naquele dia, entretanto, em que o Caveirinha enfrentaria o time de Sobradinho, cidade vizinha, Zé Coveiro, porém, não apareceu. Com o Caveirão lotado a peleja começa. Sem gandula.

Quando a bola saia pela lateral ou linha de fundo (onde ficava o cemitério) eram os próprios jogadores que tinham que busca-la . E a tardinha ia caindo…
Foi então que num chute mais forte de um atacante do Caveirinha, a bola transpôs o muro do cemitério e sumiu.

Os jogadores do time visitante, que perdia o jogo, apressam em pegar a bola para recomeçar a partida. Entrando pelo portão central do cemitério, acabaram perdidos em meio ao matagal e ruínas de sepulturas. E nada da bola…

Eis que de repente, ouve-se um barulho! A tampa de uma tumba se abre e de dentro dela surge Zé Coveiro, sem camisa, cabelos despenteados e barba revolta, na maior ressaca do porre da véspera:

– Quanto tá o jogo companheiros? Perguntou com voz pastosa e arrastada.
O time inteiro do Sobradinho saiu em disparada! E o jogo não acabou, por absoluta falta de jogadores.

Victor Kingma

Do livro Dali o Joca Não Perde