Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61556
.: Histórias e causos do futebol

Gandula do além

Causos da bola

Gandula do AlemO futebol era a grande atração da pequena Sotéria do Norte. Aos domingos, a cidade parava para assistir às acirradas disputas que se realizavam no “Estádio Caveirão”. O nome vinha da proximidade do campo com o cemitério local.

No passado dois coronéis da região, vizinhos de terra e arqui–inimigos políticos, viviam às turras. Um deles, eleito prefeito e sabendo que o vizinho detestava futebol, construiu o estádio bem na divisa das fazendas, só para provocar o inimigo.

Tempos depois, com a mudança do comando político no lugar, o outro vizinho vingou-se de seu desafeto: doou à Prefeitura o terreno para construção do Cemitério Municipal, exatamente nos fundos do campo, a grande obra da administração do rival.

A cidade até se divertia com a briga. Um dos times locais, passou a se chamar Caveirinha, em clara alusão ao cemitério. Os locutores do local, acostumados com a situação, quase sempre soltavam pérolas do tipo:
– O chute saiu torto! E a bola caiu lá no túmulo da beata Carlota!
Ou então:
– A redonda bola passou rente ao ângulo e explodiu na torre do necrotério!

Às vezes, porém, surgiam imprevistos, como ter que parar o jogo para que passasse algum enterro.

Havia, porém, algumas conveniências. Por exemplo: Zé Coveiro um sujeito magro, que cultivava uma longa barba, e cujo nome denunciava a profissão; nos dias de jogos, fazia um extra, trabalhando como gandula. Era extremamente útil . Ainda mais, quando a bola caia no seu local de trabalho.E sempre devolvia rapidamente a bola, conhecedor que era, do seu terreno.

Naquele dia, entretanto, em que o Caveirinha enfrentaria o time de Sobradinho, cidade vizinha, Zé Coveiro, porém, não apareceu. Com o Caveirão lotado a peleja começa. Sem gandula.

Quando a bola saia pela lateral ou linha de fundo (onde ficava o cemitério) eram os próprios jogadores que tinham que busca-la . E a tardinha ia caindo…
Foi então que num chute mais forte de um atacante do Caveirinha, a bola transpôs o muro do cemitério e sumiu.

Os jogadores do time visitante, que perdia o jogo, apressam em pegar a bola para recomeçar a partida. Entrando pelo portão central do cemitério, acabaram perdidos em meio ao matagal e ruínas de sepulturas. E nada da bola…

Eis que de repente, ouve-se um barulho! A tampa de uma tumba se abre e de dentro dela surge Zé Coveiro, sem camisa, cabelos despenteados e barba revolta, na maior ressaca do porre da véspera:

– Quanto tá o jogo companheiros? Perguntou com voz pastosa e arrastada.
O time inteiro do Sobradinho saiu em disparada! E o jogo não acabou, por absoluta falta de jogadores.

Victor Kingma

Do livro Dali o Joca Não Perde

Convocado por engano

 

Histórias do futebol

A mirmaosDitãoais desorganizada seleção brasileira de todos os tempos foi, seguramente, aquela que disputou o mundial da Inglaterra, em 1966.

Durante  os quase quatro meses de preparação para a copa foram formadas nada menos que quatro seleções para os treinamentos.  Astros consagrados como   Pelé e Garrincha disputavam espaço com outros, muitas vezes desconhecidos do público, selecionados por questões políticas.

Alguns jogadores famosos, mas já em final de carreira, eram convocados   apenas para agradar ao público por onde a seleção passava.

O técnico Vicente Feola, com tanta interferência em seu trabalho, passou o tempo todo tentando armar um time base e apesar do longo tempo de preparação chegou à Inglaterra sem saber qual era a melhor escalação.

O fato mais marcante da desorganização daquela seleção foi o incrível episódio em que um jogador foi convocado por engano.

Numa das listas divulgada pela CBD, saiu o nome de Gilberto Freitas Nascimento, o Ditão, vigoroso zagueiro do Flamengo. Na verdade, o selecionado deveria ser o outro Ditão, seu irmão mais velho, Geraldo Freitas Nascimento, que após se destacar   na Portuguesa de Desportos havia sido contratado pelo Corinthians, time pelo qual brilhou por muitos anos.

Surpreso com a convocação o Ditão caçula se apresentou à seleção e foi incorporado ao grupo para os treinamentos.

Constrangidos, os cartolas acabaram mantendo a convocação. O raçudo zagueiro rubro-negro, posteriormente, acabou sendo cortado.

Apesar de tantos desacertos, o Brasil ainda foi para a copa com um grupo muito forte, uma mescla de craques consagrados com jovens promessas.

Mas, como não poderia resistir a tanta bagunça, a seleção acabou desclassificada ainda na primeira fase do mundial. Estreou vencendo a Bulgária por 2 x 0, com gols de Pelé e Garrincha, ambos de falta, na última partida em que os dois gênios da bola jogaram juntos.  Entretanto, nos dois jogos seguintes, o Brasil foi derrotado pela Hungria e por Portugal, do grande astro Eusébio, pelo mesmo placar de 3 x 1.  O então garoto Tostão, contra os húngaros, e o lateral esquerdo Rildo, contra os portugueses, assinalaram os gols brasileiros.

Nas três partidas que disputou o Brasil atuou com escalações diferentes e nada menos que 20 jogadores foram utilizados. Apenas o volante Zito, contundido,  e o ponteiro Edu, que era muito jovem, pois foi convocado com apenas dezesseis anos, não atuaram. O meia Lima e o ponteiro Jairzinho foram os únicos que participaram dos três jogos.

O grande fracasso acabou valendo como lição. Quatro anos mais tarde, na copa do México, agora com uma organização ímpar, vários destes jogadores, como Brito, Gerson, Jairzinho, Tostão e Pelé, além do reserva Edu, deram a volta por cima e encantaram o mundo na conquista do tricampeonato, fazendo parte daquela seleção mágica.

 

Jogadores   brasileiros que foram à copa da Inglaterra:

Goleiros: Gilmar (Santos) e Manga (Botafogo).

Laterais: Djalma Santos (Palmeiras, Fidelis (Bangu), Rildo (Santos) e Paulo Henrique (Flamengo).

Zagueiros: Brito (Vasco), Belini (São Paulo), Orlando (Santos) e Altair (Fluminense).

Meio Campo: Denílson (Fluminense), Zito (Santos) Lima (Santos) e Gerson (Botafogo).

Atacantes: Jairzinho (Botafogo), Garrincha (Corinthians), Alcindo (Gremio), Tostão (Cruzeiro), Silva (Flamengo), Pelé (Santos) Edu (Santos) e Paraná (São Paulo).

Victor Kingma