Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61209
< Voltar

Com o sorriso na mãos

Causos da bola

Com o sorriso nas mãos Na véspera da decisão daquele ano uma coisa tirava o sono dos dirigentes do Passa Três F.C: a visita que seu goleiro Chico Boca Murcha faria ao consultório de Lico Miranda, o protético do lugar, para fazer a prova final da sua prótese dentária. A hora parecia imprópria. Afinal todos sabiam que o sonho do bravo Chico sempre foi colocar uma dentadura. Ainda mais que estava com o casamento marcado para breve. O que estava deixando os dirigentes com a pulga atrás da orelha era o fato do protético ser torcedor fanático do Sobradinho, o adversário da final. Até porque todo cuidado era pouco  nas decisões por ali.  Por outro lado, a conduta ilibada de seu arqueiro os tranquilizava.

No consultório, horas antes do jogo, Chico não se continha de alegria ao se ver no espelho com o sorriso novo. Alguns pequenos ajustes e pronto: era o fim da boca murcha. Contudo o goleiro levou um susto quando soube o quanto ia custar o seu sonho.

–  Mas, seu Lico,  tá muito caro! Não tenho como pagar tudo isso!

–  Pois é, caro ficou mesmo! Ainda mais que você pediu para colocar dois dentes de ouro.  Mas, não se preocupe, acho que  podemos dar um jeitinho. De repente a dentadura pode até sair  de graça.

–  De graça, seu Lico?

– Isso mesmo, goleirão! Amanhã não tem decisão entre os nossos times?  Durante o jogo é só lembrar do nome do seu. Se precisar, PASSA UM,  PASSA DOIS, PASSA TRÊS…  Pense direitinho. Seu sorriso está em suas mãos.

Final do jogo:  Sobradinho 3 x 2,  campeão!   PASSOU TRÊS.  Todos os gols em estranhas falhas do ex Boca Murcha que, coincidentemente, dias depois entrava na igreja para o casamento rindo de orelha a orelha com seu reluzente sorriso.

 

Victor Kingma

Do livro Dali o Joca Não Perde