Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 10838
< Voltar

 As férias na fazenda

Naquele tempo era assim…

Vista PinhoFérias escolares sempre foram períodos ansiosamente aguardados por todos os estudantes. É aquela época em que divertimentos são permitidos pelos pais e os horários não são tão rígidos. Uma justa recompensa pela dedicação aos estudos.

Hoje em dia, com os inúmeros atrativos, shopping centers, centros de diversões e sofisticados jogos eletrônicos, os jovens e adolescentes quase não precisam sair de sua cidade ou casa para se divertirem nos períodos de recesso escolar. É um retrato dos novos tempos, onde, em frente a um computador podem participar das mais variadas e “emocionantes” aventuras.

Mas, nem sempre foi assim. Antigamente, numa época não tão distante, o sonho dos meninos e meninas da cidade era passar as férias na fazenda, na casa dos avós, tios ou amigos da família. Era uma oportunidade para serem apresentados a um mundo só conhecido por eles nas páginas dos gibis ou telas dos cinemas, nas matinês dominicais.

Como era emocionante para a garotada da cidade galopar a cavalo como os seus heróis do faroeste, participar de caçadas e pescarias, nadar nos riachos, tomar banho de cachoeira, beber leite no curral e até se aventurar a fazer uma ordenha na vaca malhada, quando o retireiro permitia…

Que novidade era para eles, andar de carro de bois, fazer caminhadas noturnas com os primos e amigos, subir no alto dos morros para chegar bem perto da lua e morrer de medo das histórias de mula sem cabeça que algum antigo empregado da fazenda sempre tinha pra contar, à beira do fogão à lenha.

Enfim, podiam participar de uma infinidade de aventuras, que, ao voltarem para suas cidades, contavam para os admirados colegas da escola. Orgulhosos como se fossem Tarzan, Jane ou Jim das Selvas.

O tempo passa, as responsabilidades chegam e as coisas se modificam, mas as lembranças, essas permanecem para sempre.  Felizes daqueles que podem guardar em suas lembranças aqueles tempos mágicos das férias na fazenda.

 

Victor Kingma