Victor
Kingma
header
header
Facebook
Visitante nº: 61368
< Voltar

 

A origem da expressão “a ficha não caiu”

Naquele tempo era assim…

telefone antigo

A língua portuguesa é formada por inúmeras expressões populares usadas para explicar alguma situação inusitada vivida no cotidiano. Uma dessas expressões oriundas da sabedoria popular e que se incorporou definitivamente no nosso vocabulário é “a ficha não caiu.”

Mas como teria surgido esse dito tão usado no nosso dia a dia?

A explicação é bem simples. Se hoje o sistema de telefonia está cada vez mais moderno, com aparelhos sofisticados e de longo alcance, antigamente, num passado não tão distante, não era bem assim.

Por muito tempo os telefones públicos funcionavam com o sistema de fichas, que eram colocadas num dispositivo no alto do aparelho. Cada ficha permitia conversar por determinado tempo. Somente quando ela caía a ligação completava e a conversa podia se desenvolver.

Enquanto a ficha não caía o dialogo não era possível. E as coisas que precisavam ser resolvidas no telefonema não aconteciam. E isso era uma tortura. Quando o telefone apresentava algum defeito era comum até sacudir o aparelho para que a ficha finalmente caísse.

Na vida real, muitas vezes, deparamos com situações em que, apesar de todas as evidencias que estão à sua frente, a pessoa custa a entender ou aceitar determinada situação que esteja vivendo.

Nesses casos costumamos dizer, no popular, que “a sua ficha não caiu” ou “está demorando a cair a ficha”.

E, assim como era feito com os antigos aparelhos telefônicos, às vezes é necessário também sacudir essa pessoa para que acorde para a realidade, sua ficha caía e ela observe o que está acontecendo.

Victor Kingma